Ir à lista de artigos
05/06/20

03: Comportamento dos jogadores em jogo e infraestrutura do servidor

Estamos de volta! Já faz um mês desde que o Beta Fechado de VALORANT começou e, por mais que estejamos um pouco cansados, também estamos nos divertindo bastante. Na semana passada, anunciamos que nossa prioridade em maio seria colocar a maioria dos nossos servidores regionais para funcionar o mais rápido possível (vocês leram o artigo, né?), e estamos muito felizes por termos um novo conjunto de regiões! Boas-vindas Coreia, Brasil e América Latina!

Falando em América Latina: agora, os desafios do Beta Fechado começam de verdade. Enquanto escrevemos isso (hoje, dia 29 de abril), ainda não temos certeza se nossos data centers na Cidade do México estarão online no dia 5 de maio. Dave Heironymus, Diretor Técnico de VALORANT, falará um pouco mais sobre isso. 

Mas, primeiro, queremos abordar um assunto importante para nós que promete ser um desafio que teremos que enfrentar em um jogo competitivo como VALORANT: o comportamento dos jogadores. Além disso, quero me apresentar mais formalmente: sou Anna Donlon, Produtora Executiva e Líder da Equipe de Desenvolvimento de VALORANT, e estou aqui para discutir a importância do comportamento dos jogadores aos nossos olhos.

"Vou ser sincera: assédio e bullying são duas coisas que não admito que existam em jogos. Respondi ao tweet de um colega no mês passado e falei sobre meu medo de entrar na fila solo – um problema que já carrego comigo há muitos anos pelo mundo dos jogos multijogador, e sei que não sou a única. Já aprendemos a silenciar as pessoas que nos assediam e, também, a permanecermos em silêncio para manter a paz na comunidade. Como resultado, acabamos tendo nossa experiência competitiva prejudicada e ficamos em desvantagem.

Temo que, se nós (Riot) não nos comprometermos com essa causa, não faremos muito progresso ou acabaremos apenas providenciando 'ferramentas' de autoisolamento em vez de incentivarmos uma experiência competitiva justa para todos. Por isso, vim dizer que estou me comprometendo com essa causa.

Estou satisfeita com os recursos que desenvolvemos para promover a comunicação competitiva não verbal no jogo (como nosso sistema de pings ou o fato dos agentes poderem anunciar automaticamente quando veem inimigos com a spike), mas acho que ainda há muitas outras coisas que podemos e devemos fazer para proteger as pessoas que querem competir usando todas as ferramentas que temos à disposição (como o chat de voz!).

Isso será algo bem difícil de se fazer. Não tenho o poder de consertar a sociedade como um todo, e alguns desses problemas estão muito enraizados. No entanto, posso afirmar que a Riot leva esse assunto bem a sério, e é exatamente por isso que criamos uma equipe dedicada de "Dinâmicas Centrais do Jogador" para liderar pesquisas a fim de descobrir o que estimula um trabalho em equipe justo (e, acreditem, nem sempre são punições!). Também formamos a Fair Play Alliance ("Aliança do Jogo Justo") com nossos parceiros no mundo dos jogos. 

Posso afirmar ainda que, como líder da equipe de VALORANT, fiz com que essa questão fosse colocada como prioridade no jogo e investirei nela os recursos que forem necessários. Isso não ficará no topo da nossa lista de prioridades apenas a curto prazo, permanecerá lá pelo tempo que for preciso para conseguirmos tranquilizar nossos jogadores e garantir que, desde que joguem para vencer e respeitem o próximo, terão uma experiência parecida em troca. 

Precisamos dar início a essa postura publicando nosso código de conduta o mais rápido possível. Pode não parecer muita coisa, mas esse código nos ajudará a consolidar a maneira como construiremos (e puniremos) essa comunidade juntos. Assim como em qualquer outro jogo competitivo, já esperamos que as pessoas se exaltem e que o clima fique tenso de vez em quando. Não baniremos alguém só porque a pessoa se empolgou com suas vitórias e derrotas. No entanto, sei que algumas situações ultrapassam a barreira do entusiasmo e entram no território do assédio. Não permitiremos que isso aconteça. 

Falaremos mais sobre isso quando tivermos avançado mais nessa questão, mas podem ter certeza que eu e a equipe continuaremos comprometidos."

E agora... bom, não conseguimos pensar em uma boa maneira de fazer a transição entre esses assuntos. Então nós, a dupla dinâmica Anna e Joe, simplesmente daremos as boas-vindas a Dave Heironymus, Diretor Técnico de VALORANT, que explicará como anda a situação com os nossos servidores.

"As coisas andam tão bem quanto o esperado. Estamos felizes por conseguir seguir o cronograma e colocar os novos data centers regionais para funcionar (mesmo que com algumas dificuldades), mas não estamos tão satisfeitos com o desempenho de rede e latência que estamos enfrentando. Esse tipo de coisa afeta elementos como a "vantagem de aparição" e nos atrapalha bastante, pois fica difícil fornecer aos jogadores tudo que prometemos.

Beleza, mas o que anda afetando a latência nesses últimos tempos? O problema que estamos enfrentando é o mesmo que está dificultando a vida de todo mundo: há quantidades absurdas de tráfego de internet mundo afora e todos os nossos jogadores usam inúmeros provedores de internet diferentes. É parte do nosso trabalho levar em conta esse tipo de coisa, mas o isolamento pelo qual o mundo inteiro está passando tem desacelerado nossa habilidade de lidar com isso de forma rápida (e segura). A equipe do Riot Direct tem trabalhado sem parar para garantir que teremos a conectividade que precisamos o mais rápido possível. Assim, poderemos alcançar nossos objetivos em questão de latência. Também estamos lidando com o aumento de demanda e tráfego de rede dos fornecedores de internet (e muitos deles estão tendo que equilibrar conexões, redirecionando-as para vários lugares diferentes). Como já mencionamos, estamos cuidando disso, mas não deixa de ser algo que dificulta a nossa vida todos os dias, principalmente diante do tráfego enorme que estamos testemunhando.

Outro problema que estando tentando resolver (e esperamos que isso melhore à medida que mais regiões e data centers surgirem) é o gerenciamento de partidas. Estamos tentando garantir que os jogadores sejam colocados em partidas com outros jogadores locais de forma justa para que não sejam redirecionados, por exemplo,  de Los Angeles para Chicago, só porque alguns jogadores da partida estão situados na costa leste dos EUA. É um desafio de números e disponibilidade que esperamos resolver antes do lançamento. Queremos que VALORANT tenha populações saudáveis de jogadores em cada região para que sempre seja possível encontrar partidas processadas dentro do data center mais próximo. Além disso, estamos avaliando constantemente novos locais para implantarmos novos data centers a fim de consertar nossos problemas de cobertura. Traremos mais informações sobre isso quando decidirmos onde serão esses novos locais."

Por fim, vamos incluir alguns "BUGS CONHECIDOS" aqui, já que alguns de vocês adoram quando mostramos que sabemos da existência dos bugs do jogo. Essas correções entrarão na atualização da semana que vem.

  • Vamos consertar um bug que faz com que haja sobreposição entre a interface da Spike e a HUD de vez em quando.
  • Também vamos consertar um bug que faz com que o mapa mostre que um jogador inimigo está com a Spike quando, na verdade, ele não está.

Bom final de semana pra todo mundo!